Atacama D1

Chegou o grande dia 25/02/2017 sábado de manhã estava eu, com aquele frio na barriga ( claro que não dormi porra nenhuma, pois cheguei de São Paulo meia noite, e estava mais ansioso que gordo de pijama novo ).

O Objetivo do primeiro dia era sair as 6:30 da manha com destino a Cascavel

O Igor e o Salles sairiam de Curitiba-PR e nos encontrariamos em algum lugar de Cascavel, de lá dormiriamos em Foz do Iguaçu para atravessar a fronteira nas primeiras horas da manhã.

Mas como nada sai 100% como planejado 6:00 da manhã o Salles me ligou, e disse que o Alforge que ele tinha emprestado não tinha ficado bom no banco, e que ele não arriscaria ir  com ele, que correria atrás de um outro em Curitiba assim que o comércio abrisse as 8:00 na João Negrão e nos encontraria a noite em Foz.

Bom sai de casa,.. de Assis rumo a Cascavel encontrar o Igor, que naquela hora já estava no posto de encontro na saída de Curitiba, mas seguiria viagem sozinho também.

O Igor tinha 500km pra rodar e eu 490km até Cascavel, de lá iríamos até Foz achar um lugar pra dormir e esperar o cabeludo (Salles).

1 Pedágio – Assis x Cornélio Procópio.

A viagem parecia que seria um tesão do começo ao fim ( digo no sentido, sem perrengues ), tirando os FDP que não respeitam motos e tiram pra ultrapassar na faixa simples e brotam na contra-mão ( queria ver se fariam com um busão ou caminhão ),.. como eu tava de férias, sem pressa.. tirava pro acostamento,.. as vezes mostrava o dedo do meio só,.. e continuava a viagem ( foi umas 4x isso durante o trajeto ).

Foi tudo perfeito, cheguei no posto uns 15 minutos antes do Igor somente, foi quase que sincronizado.

Mas no trajeto de Cascavel pra Foz, a moto do Igor começou a falhar,… ele me disse que havia colocado uma lâmpada no farol da moto, mais forte e achava que ela estivesse consumindo muita corrente, a moto estava pesada para pegar também… Paramos em uma oficina na beira da estrada, e trocamos a lampada por uma mais fraca de volta, tocamos pra Foz.

Chegando em Foz creio que por volta de umas 16:00 paramos em um posto ainda sem almoço, pegamos tranqueiras na conveniência, energéticos, água etc..  Quando o Igor tenta ligar a 883 dele,. .adivinha !? kkk ja era não dava nem sinal

Desmontamos ali no posto mesmo, tentamos chupeta ( cabo de transferência pra não ter piadinha nos comentários ), mas não adiantou, o negócio era aproveitar que estávamos na divisa do Paraguay, e arrumarmos uma nova para colocar, o problema é que ja estava tudo fechado.

Foi quando os perrengues começaram.. Já estava escuro quando desistimos de esperar o Salles no posto e começamos a tentar entrar em contato… ele nos contou que tinha batido numa pedra na pista em Cascavel estava com o pneu furado, iria dormir por lá, e nos encontrava Domingo cedo em Foz.

Não temos muitas fotos deste primeiro dia,.. foi um dia tranquilo até e estávamos agradecendo por estas coisas estarem acontecendo aqui e não na Argentina ou Chile.